ARTIGOS

Taekwondo para crianças - monografia


   

Magno Rodrigues Costa. 
 
 
 
 
 
 

TAEKWONDO PARA CRIANÇAS.

                                                                      
 
 
 
 
 

                             

                                                              

OURO PRETO DO OESTE-RO 

2007 
 
 
 
 
 

Magno Rodrigues Costa. 
 
 
 

TAEKWONDO PARA CRIANÇAS.

                                                                 
 

  •  
    •  
      •  
        •  
          •  

            Monografia Apresentada à Federação De Taekwondo de Rondônia - FETRON, Com   o   objetivo   de     obtenção

  •  
    •  
      •  
        •  
          •  
            •  

              de    Grau  de Faixa Preta 1°DAN, Sob orientação do Kyo Se Nim : Franck Lopes Franco.

 
 
 
 

OURO PRETO DO OESTE

2007. 

              
 
 

DEDICATÓRIA 
 
 
 

DEDICO MINHAS CONQUISTAS  PRIMEIRAMENTE Á DEUS POR ME DAR VIDA E SAUDE; DEPOIS A MINHA FAMÍLIA, QUE ME DEU TODO CARINHO E AMOR PARA QUE EU ESTIVESSE AQUI HOJE, DEPOIS A  MEUS SUPERIORES E ALUNOS QUE ME APOIAM NESSA CAMINHADA RUMO AO CONHECIMENTO E APERFEISUAMENTO DO TAEKWONDO
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

SUMÁRIO 
 
 

1.INTRODUÇÃO.................................................................................6 

2.DESENVOLVIMENTO...................................................................8

             

2.1. BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DE TAEKWONDO PARA CRIANÇAS.........................................................................................11 

3. METODOLOGIA.........................................................................12 

4. CONCLUSÃO................................................................................13 

5. BIBLIOGRAFIA...........................................................................14 

                              
 
 
 
 
 
 

   1- INTRODUÇÃO

 
 

       Para as crianças, o Taekwondo começa apenas por ser uma modalidade muito divertida, que lhes dá grande satisfação  ao participar. Contudo, ao longo do seu desenvolvimento, a prática de Taekwondo promove nas crianças o gosto pela atividade física. As crianças começam a colocar objetivos, treinando para os conseguirem atingir.  
        A criança, entre os 6 e os 9 anos, não consegue direcionar durante muito tempo a sua atenção para uma determinada atividade, evita assim os jogos mais complexos e procura atividade mais simples. A criança desta idade não tem ainda a capacidade de coordenação bem desenvolvida, acabando por ter certos movimentos desajeitados. A criança tem um enorme gosto pelos jogos em equipe, mas procura construir uma certa autonomia, muitas vezes a partir da imitação, tanto dos adultos como de outros colegas mais capazes. É também nesta idade que as noções de tempo e de espaço se tornam cada vez mais claras. A curiosidade natural da criança faz com que esta procure respostas, privilegiando assim a interação não só com os colegas, mas também com o próprio meio que a rodeia.  
 
      

    Por norma, a criança entre os 10 e os 13 anos tem muita energia. O seu gosto pela ação e competição cresce à vista de todos. A prática de Taekwondo faz com que a criança direcione a sua energia e a distribua pelas diversas atividades do seu dia. A criança torna-se mais madura, desenvolve novos interesses e procura novas experiências.                                                   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

2- DESENVOLVIMENTO 
 

          O Taekwondo para crianças pode ser utilizado não somente como desenvolvimento da psicomotricidade das crianças (lateralidade), mas também como proposta educacional. O trabalho não deve se restringir a ensinar técnicas de Taekwondo. O objetivo é formar lutadores na vida, ensinando a respeitar os semelhantes, com base na prática da ética, através do resgate de valores que aproximem os seres humanos da essência das artes marciais. 

         A noção de desenvolvimento é entendida como crescimento ou progresso. Ou seja, a noção de que a criança vai evoluindo, e quando a observamos, percebemos não só o seu crescimento físico, mas também os crescimentos sociais, afetivos e cognitivos. O desenvolvimento é um processo global e dinâmico que será totalmente conseguido se proporcionarmos às crianças condições e oportunidades adequadas, e respeitarmos o seu ritmo de crescimento. 

    
 
 
 

      A prática de Taekwondo também responde a essa necessidade de constante ação e competição, só que de uma forma saudável. Permite-lhes desenvolver a concentração através de exercícios técnicos mais avançados, e desenvolver também o respeito e interesse pelo adversário.           

      O Taekwondo organiza a visão que a criança tem do lado mais competitivo da vida, através da compreensão da noção de regra e do próprio cumprimento das regras inerentes à modalidade. Nesta idade, percebe-se um notável progresso em certas capacidades, nomeadamente motor e cognitivo, permitindo assim o começo de um novo tipo de trabalho no Taekwondo, tanto ao nível técnico como mental.  

       A criança passa a apreciar mais o trabalho em grupo e o treino com os colegas contribui para o desenvolvimento do espírito de grupo. São implementados exercícios que trazem mais benefícios se a criança procurar trabalhar em conjunto com os colegas e aprender a conciliar esforço 
 
 
 
 
 
 
 

      Para prender a atenção das crianças a aula tem que ser dinâmica, com foco no conhecimento corporal, coordenação motora e reflexos, de forma simples e divertida, com isso elas vão ganhando autoconfiança e disciplina, respeito e desenvolvem o senso de coletividade. 
 

Amar e educar a criança é usufruir o futuro. Somente demonstramos o nosso amor à criança quando educamos, corrigindo-os e mostrando-lhes a sua responsabilidade.  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

2.1 BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DE TAEKWONDO PARA CRIANÇAS. 

        O Taekwon-Do é excelente para aqueles que procuram uma atividade física e já estão cansados de aulas convencionais. Além de ser um eficiente método de defesa pessoal, o praticante desenvolve autoconfiança, disciplina e autocontrole.

        Para desenvolver a concentração e combater o stress, utilizamos técnicas de meditação através de exercícios respiratórios e de relaxamento. 

        Pesquisa realizada por uma Universidade do Rio de Janeiro sobre Taekwon-Do como proposta pedagógica e recurso de apoio educacional infanto juvenil revela os seguintes resultados coletados com crianças entre 04 e 16 anos, com prática no Taekwon-Do entre 6 meses e 6 anos:  
- 58% apresentaram comportamento diferenciado após o início da prática.  
- 57% melhoraram o relacionamento com os colegas após o início da prática.  
- 37% passaram a apresentar melhores resultados escolares após o início da prática. 
 
 
 

- 87% demonstraram mais segurança após o início da prática.  
- 97% não demonstraram ou não foi observada maior tendência ao uso da violência corporal após o início da prática.  
- 90% dos responsáveis não acreditam que a prática das artes marciais está relacionada com o aumento da violência entre jovens.  
- 87% dos responsáveis indicam a prática das artes marciais para outras crianças. 
 

        Taekwondo é uma atividade de aprendizagem total. As aulas são concebidas de acordo com a idade e nível de conhecimento da criança. Começam com treinos básicos de Poomsaes, quebras, técnicas de pernas e de braços, o que irá melhorar a coordenação física, flexibilidade, equilíbrio e capacidade mental da criança Taekwondo desenvolve a capacidade atlética da criança e a sua atenção bem como a sua capacidade de defesa pessoal, autodisciplina e auto-estima. Para a criança o Taekwondo permite também um desenvolvimento moral. As crianças aprendem a respeitarem-se a elas mesmas e aos outros. A autodisciplina, conseqüência de aprender e praticar as técnicas reflete-se geralmente noutras áreas da vida da criança. Na escola melhoram freqüentemente pois aprendem a focalizar objetivos e trabalhar para a sua realização. A autodisciplina que Taekwondo desenvolve fornecem à sua criança a capacidade necessária para resistir a pressões. 
 
 
 
 
 

3- METODOLOGIA 
 

       O método utilizado também é a pesquisa bibliográfica, ocorreu com procura de dados em obras que explanassem sobre o assunto em pesquisa tendo sido realizada com base em diretrizes previamente delimitadas, assim como de outros que vieram a surgir no decorrer do desenvolvimento do trabalho. 
 

Pesquisa Bibliográfica Descritiva

      Há uma preocupação na pesquisa bibliográfica descritiva em conhecer e descrever todas as contribuições teóricas sobre o assunto a ser abordado. Nesse aspecto, faz-se a observação entre os teóricos, registra-se, analisa-se e relaciona as informações colocando-as a serviço do elaborador do estudo. Segundo CERVO e BERVIAN (2002: 66-67): 
 

                                                                                                                             
 
 
 

 
 
 
 

5- CONCLUSÃO 

       O objetivo do Taekwondo não é unicamente formar  um vitorioso nas competições, mas sim um vitorioso na vida cotidiana, onde os problemas sociais acontecem. O seu efeito como uma prática, podem oferecer uma qualidade de vida digna, através da melhor formação corporal e espiritual.

Através desta monografia,  posso dizer  que ampliei  meus conhecimentos em relação à metodologia de ensino para crianças, podendo assim preparar as aulas com maior clareza.

       Dar aula para crianças não é para qualquer um, o Professor, tem que ter muita paciência, tem que saber se impor  nos momentos necessários, tem que gostar de criança, más também é muito gratificante e emocionante.

Se o homen não tivesse objetivo na vida seria igual a “um barco sem destino no meio  do mar”. O homen sente orgulho e prazer de viver quando está caminhando passo a passo em direção a seu objetivo.

       O  início da prática  do TKD, na terna idade, dá condições à academia de fazer dele um atleta, os longos anos passados em atividade, o dia a dia rotineiro, o grande esforço e garras solicitadas, vão moldando lentamente a personalidade do aluno que poderá vir a ser no futuro um grande atleta, um campeão defensor das cores da academia e de seu País.

Se não fosse isso, não estaríamos  sempre formando homens capazes de ter uma vida digna, íntegra, equilibrada e bem produtiva no futuro.  
 
 
 
 
 
 

BIBLIOGRAFIA 
 

- TAEKWONDO - Clube Airense - Kyosa Nim Rita Pereira -2006. 

- TKD Texto Book (Young Roul Choi). 

- Benefícios Da Pratica de TAEKWONDO Para Crianças-2004. 

- TAEKWONDO Sol  Nascente – Texto Do Mês-2005. 

- UMA LUTA DE PAZ - Luciana Carnevale. 

- KIM, Yeo Jin; TAEKWONDO, Arte Marcial Coreana; São Paulo; Editora Thirê; 1995; Volume 1.  

- Yeo Jin Kim - Edson Silva; Arte Marcial Coreana; 2000; Volume 2 – Avançado. 

- CERVO e BERVIAN (2002: 66-67):

sexta 15 julho 2011 15:30 , em ARTIGOS


HISTÓRIA TAEKWONDO

Historia do Tae kwon do 

Origens

 

As artes marciais coreanas surgiram séculos antes do nascimento de Cristo,e desenvolveram uma grande quantidade de armas as quais eram usadas em combates  e treinamento militar

“A ciência militar “Su bak” baseado em armas como punhos, mãos, pés, joelhos e cotovelos foi também  chamadas  de “kwon Bup” e posteriormente ‘Tae Kyon”, vital treinamento guerreiro. O nome TAEKWONDO  surgiu em 1955 . 

 REINADOS 

(37 A/C  - 668 D/C)   Reinado  “Koguryo”

(18 A/C  - 600 D/C)   Reinado  “ Paekje”

( 57 A/C – 936 D/C)   Reinado  “ Silla” 

DINASTIAS 

(935 A/C – 1392 D/C)  Dinastia “Koryo”

(1392D/C- 1910 D/C)   Dinastia  “Yi” 

(1790) Texto oficial sobre artes marciais . 

(1910 )  Invasão do Japão . 

(1913) O Japão introduz o Karaté, proíbe o Taekwondo. 

(1945) Libertação da Coréia , 15 agosto.

Abertura de escolas de artes marciais. “dojangs” 

“““ “““ Segundo historiadores surgiram na antiga Coréia três Reinos, (37 A/C - 668 D/C) Reinado “Koguryo”, (18 A/C - 600 D/C) Reinado” Paekje” e(57 A/C – 936 D/C) Reinado “Silla”.Todos os achados arqueológicos como pinturas e desenhos da época lembram os atuais movimentos do Taekwondo.O Reino de “Silla” reunifica os três reinos em 670 D/C, assume o controle da cultura e das artes marciais. Encontramos nesta época a forte influencia do“““ Hwarang-do” (arte de combate livre), que possuía um rígido regime militar, educacional e social para jovens nobres, comandados pelo monge “ Wonhyo”. O “Hwarang-do”, fundado pelo rei “Jin Heung” da dinastia “Silla” tinha como Princípios e código de honra: lealdade ao rei, respeito e obediência aos pais,

Fé nos amigos, coragem na batalha e repúdio a violência e morte desnecessária. 

(935 A/C – 1392 D/C)  Dinastia “Koryo”

Wang Kwong (de família nobre de Silla) estabelece a dinastia com grande influencia do Budismo. Ganha popularidade o estudo do combate desarmado,

Treinado por civis e militares.

(1392D/C- 1910 D/C)   Dinastia  “Yi”

 Rei Taejo, (fundador) substitui o budismo pelo Confucionismo como religião,

 Reforça a influencia chinesa, a classe dominante valoriza o estudo clássico chinês. Período de desinteresse pelas artes marciais , lutas sem armas e técnicas de mão “ kwon-do” . Época de congelamento das artes marciais. 

“““ “““1790 O Rei “Chongjo” ordena a Lee Duk Um escrever um texto oficial sobre as artes marciais coreanas, chamado” Muye Dobo Tongji”, descrevendo as formas de combate desarmado.

O treinamento das artes marciais foi negligenciado pelas forças armadas, lutas

Internas entre as classes dominantes debilitaram as defesas nacionais coreanas e  o “Kwon-do” é praticado como atividade meramente recreativa. 

1910 O Japão invade a Coréia e domina a dinastia Yi (1392D/C- 1910 D/C)

O governo colonial japonês bane todas as atividades culturais na Coréia, a linguagem, vestimenta, o canto, os esportes e as artes marciais.

1913 O governo colonial nipônico, introduz na Coréia o Karatè (luta marcial original do Japão), o Taekwondo é proibido de ser praticado pelos coreanos.

Neste período da invasão, alguns mestres coreanos treinavam seus discípulos

Escondidos do regime repressor. 

1945 ,15 de agosto, a Coréia é libertada e seus líderes das artes marciais coreanas, abrem escolas de artes marciais “dojangs” sob vários nomes como:

“Kong sôo do” “ Tang Sôo Do” “Su Bak do” e “ Kwon Bup”.. 

A liberdade cultural retorna a Coréia, o gen. Choi Hong Hi , inicia treinamnto aos militares coreanos. 

1946  realizada 1 conferencia para unificação dos “dojangs’ e padronizar métodos foi um insucesso 

1952 O general Choi Hong Hi faz uma demonstração de taekwondo ao 1 presidente da Coréia do Sul, Dr. Sung- Man Lee,que ordena a todos seus soldados o treinamento do taekwondo .

O taekwondo praticado no exercito coreano teve muito êxito na guerra civil (1950-1953) contra a Coréia do Norte e a guerra do Vietnã. 1955     11de abril, Unificação de alguns  estilos de lutas coreanas em uma chamada taekwondo.1966- general  Choi funda a ITF, e termina o desenvolvimento  dos “Hyongs’ antigas formas. 

1970 A pedido do ministério da Educação, o Taekwondo chega ao Brasil pelo Grão Mestre Sang Min Cho, por ordem do general Choi Hong Hi.

“Inaugurando a primeira academia de taekwondo do Brasil,” Academia Liberdade, dia 08 de agosto de 1970.São Paulo  diA 08 de agosto de 1970. 

1971  dr. Un Yong kim eleito presidente da (KTA) “Korea  Taekwondo Association” 

1973 general Choi Hong Hi, por problemas políticos,  transfere a sede da ITF para Montreal no Canadá.

1973  dr. Un Yong kim cria a (W T  F) , e a fundação do Kukkiwon , (quartel geneal do taekwondo) 

Inicio do taekwondo na sua forma desportiva e competitiva, divulgação do taekwondo pelo mundo. 

Bibliografia consultada: 

http://www.apterj.com.br/taekwondo.php?categoria=coreia 

http://www.taekwondoitf.com.br/historia.html 

http://es.wikipedia.org/wiki/Taekwondo 

http://tkdlivre.tempsite.ws/newtkdlivre/ 

Kim,Yeo Jun; “ taekwondo competição, o manual dos campeões”;Editora Brazil Sports.

Kim, Yeo  Jin e Silva, Edson; “taekwondo-arte marcial coreana” São Paulo, Rodie Crew Editora;2000 Vol.II.

sexta 15 julho 2011 15:23 , em ARTIGOS


OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DO TAEKWONDO PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTE

ARTIGO
OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DO TAEKWONDO PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Claudiomar Antonio VIEIRA1 Vitor Cesar MOREIRA2
claudiovieiratkd@hotmail.com
RESUMO
A prática de Taekwondo esta a cada dia demonstrando um maior crescimento dentro das escolas devido aos benefícios que esta atividade pode proporcionar aos praticantes quanto ao comportamento humano e a melhora no desempenho escolar. Porém ainda existem profissionais da área da educação escolar, bem como os próprios pais dos alunos, que mantêm certas reservas quanto a este tipo de prática esportiva, devido a alguns conhecimentos populares que as Artes Marciais ensinam as pessoas a lutarem e posteriormente incentivam a violência física. O objetivo deste estudo é apresentar os benefícios referentes às mudanças do comportamento na visão dos pais e professores, comprovando a eficiência da prática das artes Marciais especificamente o Taekwondo como prática esportiva, principalmente quando a realização da atividade é durante a idade escolar. O presente estudo trata-se de uma pesquisa descritiva realizada de maneira transversal com os pais e os professores dos alunos que praticam Taekwondo em uma escola pública municipal na cidade de Cascavel-PR. Os pais e os professores responderam à um questionário contendo perguntas referentes as mudanças de comportamento e ao desempenho escolar. Os dados foram descritos com valores de freqüência relativa e freqüência absoluta. Porém ao realizar a pesquisa buscando uma literatura específica e científica das áreas afins, ficou constatado que alguns alunos ganharam muitos benefícios quanto ao comportamento e ao desempenho escolar na visão dos pais e professores. Entre os principais resultados ficaram a mudança dos hábitos do dia-a-dia, quanto à alimentação e maior respeito com os pais, além de demonstrarem mudanças no ambiente escolar demonstrando maior interesse nas aulas. A participação de crianças e adolescentes na prática das Artes Marciais pode influenciar no desenvolvimento do caráter humano, além de ter a oportunidade de melhorar sua saúde e a sua qualidade de vida.
Palavras-chave: Benefícios. Taekwondo. Escola
Acadêmico1 Professor Orientador2
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
ARTIGO
THE BENEFITS OF THE PRACTICE OF TAEKWONDO FOR CHILDREN AND ADOLESCENTS
Claudiomar Antonio VIEIRA1 Vitor Cesar MOREIRA2
claudiovieiratkd@hotmail.com
ABSTRACT
The practice of Taekwondo this every day showing a greater growth within the schools because of the benefits that this activity may give practitioners about human behavior and improvement in school performance. But there are still professionals in the field of education, as well as their own parents of students, who have certain reservations about this kind of sports practice, because of some popular knowledge that the Martial Arts teach people to fight and then encourage physical violence . The purpose of this study is to present the benefits related to changes in behavior in view of parents and teachers, demonstrating the efficiency of the practice of martial arts such as Taekwondo specifically the sports practice, especially when carrying out the activity is during school age. This study is a descriptive research carried out cross with parents and teachers of students who practice Taekwondo in a municipal school in the city of Cascavel-PR. The parents and teachers responded to a questionnaire containing questions related changes in behavior and school performance. The data were reported with values of relative frequency and absolute frequency. But when performing a search searching the scientific literature and related areas, it was found that some students have gained many benefits on the behavior and school performance in view of parents and teachers. Among the main results were to change the habits of day-today, as the largest food and respect with their parents, and show changes in the school environment showing greater interest in class. The participation of children and adolescents in the practice of Martial Arts can influence the development of human character, in addition to having the opportunity to improve their health and quality of life.
Key words:: Benefits. Taekwondo. School
Academic 1 Mentor Teacher 2
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
ARTIGO
INTRODUÇÃO
Segundo Vieira e Roman (2008), o Taekwondo é um esporte de combate em que usa chutes e socos para golpear o oponente. Este esporte vem crescendo a quantidade de adeptos em idade escolar. Pois é uma arte marcial onde se aprende a disciplina e a auto defesa, além de proporcionar aos praticantes oportunidades de vivenciar as competições.
Park (2006), afirma que o Taekwondo é uma arte marcial que reúne técnicas de autocontrole, concentração física e mental com técnicas modernas de combate.
As Artes Marciais são capazes de possibilitar ao aluno vivências e experiências emocionais, principalmente aquelas que estão ligadas às competições (BARBOSA, 2006).
De acordo com Park (2006), o Taekwondo foi criado na Coréia do Sul pelo militar Choi Hong Hi que começou a ensinar os seus soldados a lutarem no ano de 1946, baseado nos diferentes estilos de luta existentes na época.
O General Choi Hong Hi havia estudado as artes marciais japonesas durante a invasão dos japoneses na Coréia, além de estudar as artes marciais coreanas neste mesmo período. Em 1955, um grupo liderado pelo General Choi Hong Hi, juntou esforços e conseguiu unir todas as diferentes escolas e estilos de artes marciais existentes na Coréia, sendo então unificado e criado um novo estilo adotando oficialmente o nome de Taekwondo (PIMENTA, 2007).
O nome Taekwondo foi para lembrar o Taekyon, um estilo de luta que era praticado naquele país há cerca de 2.000 anos. Com isso reanimava o patriotismo coreano ao valorizar a tradição do país, pois houve nesta época um período de várias guerras e a libertação definitiva da Coréia perante aos invasores japoneses (PARK, 2006).
De acordo com Rios (2005), o primeiro mestre de Taekwondo que chegou ao Brasil foi o coreano Jung Do Lim, em 1968, mas por não ser representante oficial da instituição internacional, não foi declarado como o introdutor do Taekwondo em nosso país. Somente em 1970 foi oficialmente declarado a introdução do Taekwondo no Brasil através do mestre Sang Min Cho, com a inauguração da primeira academia da modalidade no país.
Segundo Kim (2006), o mestre Sang Mim Cho veio ao Brasil por ordem do General Choi Hong Hi e a pedido do Ministério da Educação do Brasil, que nesta época era governado por militares e precisava de algo para crescer o patriotismo dos brasileiros e queriam seguir o exemplo dos coreanos.
No ano de 1970 o Brasil era governado pelo General Emílio Garrastazu Médice, que exerceu seu mandato de 1969 até 1974, o ministro da Educação daquele governo era o Senhor Jarbas Gonçalves Passarinho (BRASIL).
O Taekwondo pode ser praticado a partir da primeira idade escolar, respeitando os limites fisiológicos e psicológicos da criança, pois com o conhecimento do próprio corpo e de seus limites ajudam na formação do caráter do aluno (ANDRADE, 2005).
As Artes Marciais proporcionam situações em que as crianças poderão viver na idade adulta. As crianças conseguem perceber que o sucesso na vida vem sempre após muito esforço e dedicação seguindo o exemplo dos treinos (SILVA, 2005).
Todas as pessoas podem praticar o Taekwondo, os benefícios que esta modalidade proporciona estão relacionados tanto para a mente quanto para o corpo. As repetições dos movimentos podem aperfeiçoar a técnica e desenvolver a paciência. A luta ensina a humildade, a coragem, o estado de alerta e o autocontrole (GOULART e CAMPOS, 2005).
Tendo o corpo saudável, disposto e com energia, o homem poderá assim ter uma vida construtiva e uma atitude positiva. A atitude positiva é resultado da combinação do pensar, do olhar, de falar e agir de forma correta de acordo com a sociedade em que se vive (KIM, 2006).
O objetivo deste estudo foi verificar se houve mudança no comportamento e melhora no desempenho escolar, identificando quais mudanças foram significativas para os pais e para os professores. Além de comparar os resultados em relação ao sexo e a idade dos praticantes.
MATERIAIS E MÉTODOS
Este estudo realizou-se através de uma pesquisa descritiva transversal, que de acordo com Gil (1991), tem como objetivo primordial a descrição das características de uma determinada população.
O referido estudo foi realizado de acordo com a Resolução 196/96 (1996), do Conselho Nacional de Saúde e do Ministério da Saúde em que rege as pesquisas com seres humanos, sendo esta de forma coletiva ou individual. Envolvendo o ser humano de forma direta ou indireta, expondo em sua totalidade ou partes dele, incluindo também o manejo das informações ou materiais. Em todo o território brasileiro.
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
ARTIGO
Primeiramente um projeto de pesquisa foi realizado, onde este foi encaminhado para a apreciação do Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz, sendo protocolado na Instituição com o número 100/2008, onde constavam todas as exigências legais, obtendo a aprovação do mesmo para iniciar o estudo conforme o parecer 244/2008 – CEP/FAG (ANEXO 01).
Após a elaboração do instrumento de pesquisa pelo pesquisador e seu orientador, foi realizado um pré-teste (piloto). O piloto consistiu em testar o instrumento que seria utilizado na pesquisa, sobre uma pequena parte do seu “universo” da pesquisa (amostra) com o objetivo claro de evitar que acontecesse um resultado falso. O piloto foi realizado com 08 voluntários da amostra estudada.
A população da pesquisa foi constituída por pais e professores dos alunos devidamente matriculados nas aulas de Taekwondo no ano de 2008 na escola onde funciona o “Projeto Taekwondo na Escola”.
O tempo mínimo em que os alunos deveriam ter de prática era de 06 meses para que seus pais e professores pudessem participar da pesquisa.
A amostra do estudo teve a participação de 59 pais e de 07 professores, totalizando um número de 66 voluntários. Os dados foram coletados nas dependências da escola, através de um questionário elaborado para os pais (APÊNCICE 01) e para os professores (APÊNDICE 02).
Os questionários foram respondidos individualmente, os voluntários da pesquisa tiveram
o tempo de 30 (trinta) minutos para responder as questões.
Foram excluídos da pesquisa, os voluntários que não queriam participar efetivamente da mesma, bem como aqueles que não assinaram o temo de Consentimento Livre e Esclarecido.
Caso alguma questão do instrumento de coleta causasse algum dano moral ou constrangimento dos voluntários, a pesquisa poderia ser interrompida pelo pesquisador.
Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva com valores de freqüência absoluta e relativa dos resultados obtidos.
RESULTADOS
O estudo realizado identificou quais os tipos de mudança de comportamento ocorreram com os praticantes de Taekwondo em que freqüentam o Projeto Taekwondo na Escola após 06 meses de prática, demonstrando a quantidade de praticantes em relação à idade e ao sexo.
Gráfico 01 Mudanças positivas de comportamento na visão dos pais após 06 meses de prática.
Entre os 59 pais que participaram da pesquisa, 79% deles afirmaram que seus filhos mudaram o comportamento depois que iniciaram a prática do Taekwondo.
Apenas 20% deles afirmaram que seus filhos não tiveram nenhuma mudança significativa do comportamento após os 06 meses de prática.
Gráfico 02 Mudanças positivas de comportamento e desempenho escolar na visão dos professores.
Entre os 07 professores avaliados sendo estes: 03 professores dos alunos de 06 a 08 anos de idade, 02 de 09 a 12 anos e 02 de 13 a17 anos de idade, 71,42% dos professores afirmaram que os alunos tiveram mudanças significativas quanto à melhora do comportamento e no desempenho escolar. Enquanto que 28,57% deles afirmaram não ter percebido nenhuma melhora quanto ao comportamento e ao rendimento escolar.
Quadro 01 -Comparação entre o sexo e a idade dos praticantes.
Variáveis
N
%
Quantidade de praticantes
Masculino
25
42,37
Feminino
34
57,62
Idade dos
Entre 06 e 08 anos
18
30,50
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
ARTIGO
praticantes
Entre 09 e 12 anos
30
50,84
Entre 13 e 17 anos
11
18,64
Ficou comprovado que 57,62% dos alunos que praticam a modalidade de Taekwondo no ambiente escolar são do sexo feminino, sendo um total de 34 meninas. Entre as 34 meninas 21 delas ou 61,76% tem idade entre 09 e 12 anos.
Quadro 02 – Principais Mudanças segundo os 59 pais e os 07 professores.
Variáveis
N
%
Principais mudanças percebidas pelos pais
Hábito alimentar
29
49,15
Higiene Pessoal
19
32,20
Respeito com os pais
15
25,42
Realização de tarefas
14
23,72
Autocontrole
13
22,03
Principais mudanças percebidas pelos professores
Realização de tarefas
06
85,71
Respeito com os professores
04
57,14
Melhoraram as notas
04
57,14
Autocontrole
05
71,42
Entre os 59 pais que participaram da pesquisa, obteve-se o resultado de 29 afirmações que seus filhos mudaram o hábito de alimentar-se, realizando assim uma alimentação balanceada, tendo um índice de 49,15% de afirmações dos pais.
Quanto à higiene pessoal 32,20% dos pais afirmou que seus filhos começaram a ter mais cuidados pessoais, cuidando desta forma o corpo para ter uma vida saudável.
Os professores que participaram da pesquisa, sendo um total de 08 professores dos alunos que participam da prática do Taekwondo na escola, 85,71 deles afirmaram que seus alunos demonstraram maior interesse nos estudos, realizando as tarefas de casa.
Conseqüentemente 57,14% dos professores afirmaram que os alunos começaram a melhorar as notas na escola, melhorando desta forma as notas bimestrais. Segundo 57,14% dos professores, os alunos adquiriram maior respeito com os professores.
DISCUSSÃO DOS RESULTADOS
O Projeto Taekwondo na Escola por ser realizado com uma equipe multidisciplinar com professores, psicólogos e nutricionistas, os alunos demonstraram aos seus pais uma mudança significativa quanto à alimentação, realizando desta forma uma alimentação balanceada associada à atividade física.
Na prática esportiva a nutrição fica evidente como um fator limitante da saúde e conseqüentemente o desempenho esportivo. A responsabilidade do professor de educação física de interagir com os alunos pode ser mais que obter bons resultados. Pode ser também a responsabilidade da manutenção da saúde, caso este tenha alguns distúrbios alimentares como o exemplo da anorexia ou a bulimia (MARTINS, 2008).
Segundo Oliveira (2002), As escolas e instituições devem adotar trabalhos multidisciplinares com práticas nutricionais e atividades físicas regulares, promovendo assim a saúde através de conhecimentos de hábitos alimentares saudáveis.
De acordo com Martins (2008), os alunos são flexíveis a temas poucos comuns na escola como alimentação e obesidade, adotando hábitos saudáveis de higiene, alimentação e atividades corporais.
Durante a realização das aulas de Taekwondo os alunos devem ficar com os pés descalços sobre o tatame, com isso eles devem zelar pela sua higiene pessoal, e não impossibilitar o uso dos materiais, quando estes forem de uso coletivo a outros praticantes.
O aluno deve apresentar-se para as aulas com o uniforme limpo, com as unhas aparadas e sem portar objetos como: relógios, brincos, colares ou outros para não machucar e não ser machucado pelos colegas durante o combate.
Por ser uma arte marcial cuja origem é militar, e criado para o patriotismo seguindo uma tradição milenar, a fim de desenvolver a disciplina física e mental do povo coreano. Até hoje é mantido a tradição e a filosofia por todos os praticantes no mundo inteiro, com o objetivo principal de manter a paz e a justiça (LEE, 2003).
Os alunos demonstraram maior importância quanto ao estudo, realizando as tarefas, interessando-se durante as aulas, tendo o objetivo de compreender a matéria e atingir a média, tornando persistente em aprender e nunca desistir dos seus objetivos.
Segundo Ferreira (2007), o exercício físico contribui para aumentar o fluxo sanguíneo cerebral, conseqüentemente alterar a habilidade de aprendizado e a resolução de problemas. Um dos mais importantes efeitos do exercício é a plasticidade do sistema vascular cerebral, a chamada Angiogênese, ou seja, o crescimento de novos capilares a partir de vasos preexistentes.
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
__________________________________________
ARTIGO
Ferreira (2007), ressalta ainda que as pessoas fisicamente ativas apresentam um melhor desempenho em tarefas que envolvam raciocínio e memória. Sendo que aqueles que se exercitam possuem maior facilidade de monitoramento e a inteligência fluída mais desenvolvida. A atividade física é importante a para a manutenção da integridade do sistema nervoso central.
A maior parte dos especialistas em estudos cerebrais admite situar-se entre 30 a 50% o valor das regras da hereditariedade sobre o grau de inteligência em que um indivíduo pode alcançar com estímulos e esforços adequados (ANTUNES, 1998).
Andrade (1978), afirma que exercício físico é um ato motor sistematicamente repetido e que constitui o meio principal para realizar as tarefas da Educação Física e dos Esportes.
Os benefícios da disciplina pessoal, resultantes do aprendizado e da prática das artes marciais, podem ter reflexos em outros setores da vida. A concentração favorece os estudos na escola, a resistência às pressões ajuda nas dificuldades encontradas no cotidiano. (GOULART e CAMPOS, 2005).
Fazendo parte da cultura corporal, as lutas representam hoje um meio eficaz de educação e um conjunto de conteúdos altamente valiosos ao ser trabalhado na Educação Física Escolar (OLIVEIRA e SANTOS, 2006).
O respeito com para com os pais e professores é fundamental para que os alunos consigam atingir as graduações desejadas, mas para isso é exigido que os pais realizem uma avaliação sobre seu filho (a), respondendo um questionário antes da realização do evento de exame de faixa.
Sendo de acordo mútuo entre os pais e o aluno, sobre o comportamento adequado quanto ao respeito para com os pais, realizando as tarefas da escola e atingir a média escolar. O indivíduo então poderá realizar o exame para troca de faixa.
Weiten (2002), afirma que no reforço positivo, uma resposta leva à apresentação de um estímulo de recompensa. No reforço negativo a resposta leva à remoção do estímulo.
Sendo assim o aluno tentará ao máximo respeitar aos pais e professores, caso contrário, não conseguirá seus objetivos. Criando desta maneira um condicionamento através de um reforço positivo para trocar de faixa, enquanto se ele não obedecer não terá o objetivo alcançado, além de receber uma punição ou reforço negativo.
Os alunos demonstraram ter controle das situações a serem resolvidas, pois a cultura e a filosofia do Taekwondo norteiam para isso. Sendo este um fator muito importante par a prática das artes marciais.
O autoconhecimento é fundamental para aprender a nos relacionar e adquirir novos amigos, sem causar conflitos com as demais pessoas (GRILO, 2005)
O autocontrole é a capacidade de viver e trabalhar de acordo com os limites estabelecidos pela sociedade no dia a dia (GOULART e CAMPOS, 2005).
No mundo dos combates o indivíduo luta primeiramente contra si mesmo, seus próprios medos, suas limitações, suas capacidades frente ao que o oponente representa (BARBOSA, 2006).
Ribeiro (2006), afirma que não devemos esquecer jamais, que o objetivo do Taekwondo é acima de tudo é formar o cidadão e o ser humano consciente na sociedade. O Taekwondo é uma arte que implica na maneira de pensar e de viver do indivíduo.
Grande parte da população beneficiada pelo projeto e que demonstraram mudanças significativas é do sexo feminino e com idade entre 09 a 12 anos de idade, demonstrando que nesta idade os alunos conseguem adquirir mudanças de hábitos importantes para sua formação.
Durante esta idade é o ciclo de iniciação à sistematização do conhecimento, nele o aluno vai adquirir a consciência de sua atividade mental, confrontando os dados da realidade com o seu pensamento sobre eles. O aluno dá um salto qualitativo quando começa a estabelecer generalizações (IVO e ILHA, 2008).
O maior interesse pelas lutas no sexo feminino é devido à divulgação pela mídia em que vem crescendo a participação das mulheres nos Esportes e nas competições, e isso tem sido comprovado pela quantidade de meninas que praticam o Taekwondo no ambiente escolar.
Para Ferretti e Knijnik (2007), o número de atletas do sexo feminino nas lutas esta cada vez mais crescente, pois as mulheres estão a cada dia procurando o seu espaço dentro dos Esportes, principalmente nas lutas. Conquistando competições importantes, sendo assim as lutas proporcionam varias condições de participações dentro do esporte indiferente de sexo e idade.
Poucas atividades possuem a capacidade de criar nas pessoas o espírito de competitividade, lealdade, disciplina e amizade que as Artes Marciais proporcionam (SILVA, 2005).
Monitoramento: Capacidade do córtex pré-frontal de acompanhar funções cognitivas.
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
ARTIGO
Inteligência fluída: Usada para lidar com problemas imediatos e raciocínio em situações novas.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com este estudo constatou-se que os alunos tiveram uma melhora significativamente no seu comportamento e no rendimento escolar, adquirindo maior respeito com os pais e com os professores.
Os alunos demonstraram mudanças quanto aos hábitos do seu dia a dia em que está inserido, principalmente quanto à alimentação. O estudo constatou também que as meninas estão cada vez mais participativas nos Esportes, principalmente nas lutas, tendo o maior número de participantes.
Na participação dos alunos nas aulas de Taekwondo, constatou-se que grande parte possui idade entre 09 e 12 anos. Nesta fase o indivíduo encontra-se em grande pré-disposição para novos conhecimentos, ou seja, com a prática das lutas que tem seus princípios de tradição e filosofia, poderá trazer muitos benefícios aos praticantes.
Considera-se importante que profissionais de Educação Física tenham uma forte ligação com os profissionais de Nutrição e de Psicologia, formando desta forma uma equipe multidisciplinar para atuarem na escola e na prática de Esportes, contribuindo assim, na obtenção de melhores resultados.
É de fundamental importância que o poder público em parceria com a iniciativa privada incentive e apóie a participação de crianças e adolescentes em práticas esportivas em onde estas ofereçam a possibilidade de uma melhora qualidade de vida da população, desde que estas práticas sejam elaboradas e planejadas por profissionais competentes.
Recomenda-se que seja realizada uma nova pesquisa sobre o assunto para que possa melhorar a compreensão do mesmo, além de contribuir para o crescimento científico e intelectual dos praticantes de Taekwondo e das Artes Marciais.
REFERÊNCIAS
ANDRADE, M. M. Terminologia em Educação Física e Desportos. Manaus, 1978.
ANDRADE, R.; COUZEMENCO, K. A Educação Física Escolar e a formação do indivíduo pelos caminhos do Taekwondo. Brazil Open Taekwondo, 10, p 13, 2005.
ANTUNES, C. As inteligências múltiplas e seus estímulos. Campinas: Papirus, 1998.
BARBOSA, P. S. C. As artes marciais no desenvolvimento da inteligência emocional.
Fighter Magazine. São Paulo, 13, p.48-49, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/Reso 196.doc> Acesso em 19 mai. 2008.
BRASIL. Presidência da República Federativa do Brasil. Informações Históricas/Galeria de Presidentes. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/Infger_07/presidentes/e milio_medici.htm> Acesso em 06 nov. 2008.
FERREIRA, C. Cérebro em forma. Viver Mente e Cérebro. São Paulo, ano XIV nº 170, p. 74-81, março 2007.
FERRETI, M. A. C. ; KNIJNIK, J. D. Mulheres podem praticar lutas? Um estudo sobre as representações sociais de lutadoras universitárias. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/ article/view/2925/0 > Acesso em 10 mai. 2008.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
GOULART, F. ; CAMPOS, T. Taekwondo o caminho dos pés e das mãos. São Paulo: On Line, 2005.
GRILO, J. R. B. Cuidados essenciais na iniciação das artes marciais. Fighter Magazine. São Paulo, 08, p.46-47, 2005.
IVO, A. A. ; ILHA, F. R. S. Notas sobre o professor de Educação Física em tempos de modernidade líquida. Disponível em: < http://www.efdeportes.com/efd124/o-professor-deeducacao-fisica-em-tempos-de-modernidadeliquida.htm> Acesso em 17 out. 2008.
KIM. Y. J. O manual dos campeões. São Paulo: Awa, 2006.
LEE, K. M. Taekwondo Dinámico. Barcelona: Hispano Europea, 2003.
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008
ARTIGO
MARTINS, R. M. Atividade física e alimentação saudável dentro da escola: critérios básicos para a diminuição da obesidade entre os adolescentes. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd124/atividadefisica-e-alimentacao-saudavel-dentro-daescola.htm> Acesso em 17 out. 2008.
OLIVEIRA, I. B. N. Estudo epidemiológico da colesterolemia em crianças e adolescentes anêmicos de baixa renda institucionalizados Londrina-PR. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd79/nutricao.htm > Acesso em 17 out. 2008.
OLIVEIRA, S. R. L. ; SANTOS, S. L. C. Lutas aplicadas à Educação Física Escolar. Disponível em: <http://www.profedf.ufpr.br/APOSTILA%20CURS O%20DE%20LUTAS.pdf> Acesso em 19 mai. 2008.
PARK, P. W. Curso de Taekwondo La Técnica del Chagui. Barcelona: De Vecchi, 2006.
PIMENTA, T. F. F. A Construção de um sub campo do Esporte: O caso do Taekwondo.
Disponível em: < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia /modules/mydownloads_01/viewcat.php?cid=16> Acesso em 06 nov. 2008.
RIBEIRO, A. G. S. Filosofia e ética no Taekwondo. Disponível em: <http://www.foztkd.com/pdf/12filosofia_etica.pdf> Acesso em 19 mai. 2008.
RIOS, G. B.; O processo de esportivização do Taekwondo. Pensar a Pratica Vol 08 nº 01, 2005.
SILVA, C. H. B. Artes marciais e o desenvolvimento das crianças. Fighter Magazine. São Paulo, 07, p.46-47, 2005.
WEITEN, W. Introdução a Psicologia. São Paulo: Pioneira, 2002.
VIEIRA, C. A.; ROMAN, E. P. A importância da Flexibilidade no Taekwondo. Fighter Magazine. São Paulo, 19, p.50-51, 2008.
Faculdade Assis Gurgacz – Curso de Educação Física
Cascavel – Paraná
2º. Semestre de 2008

sexta 15 julho 2011 15:11 , em ARTIGOS


LUTAS NA INFANCIA ...

 LUTAS NA INFANCIA: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA 

Ms. RICARDO RUFFONI (1,2)

Ms. ALEXANDRE MOTTA (1,3,4)

(1) Laboratório de Estudos do Esporte- LABESPORTE - RJ

(2) Centro Universitário Celso Lisboa

(3) Universidade Veiga de Almeida

(4) Universidade Salgado de Oliveira

Área temática: 5

Resumo:

As lutas, jogos de oposição, esportes de combates, existem desde o início dos tempos em todas as civilizações. Nos dias de hoje esse contexto faz parte das disciplinas curriculares em nível universitário o qual é visto como um instrumento pedagógico na formação da criança. O presente estudo tem por objetivo propor uma reflexão no que concerne a prática das lutas na infância, bem como pontuar princípios pedagógicos que devem fazer parte da formação dos profissionais de Educação Física envolvidos com o bloco de conteúdos denominado lutas. A metodologia utilizada foi descritiva, baseada numa revisão de literatura com ênfase nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s). A Cultura Corporal do Movimento propõe uma diversidade de práticas e de manifestações culturais. Nesta direção, algumas observações foram feitas em relação aos objetivos atitudinais que devem direcionar as práticas pedagógicas na busca de uma mudança paradigmática

.

Para tanto, para que se possam trabalhar as lutas na faixa etária compreendida entre 7 e 12 anos, são necessárias à busca de uma pedagogia diferenciada,voltada para solução de problemas, onde a grande a vitória será o desenvolvimento do aluno na formação integral do individuo.

Palavras chaves : PCN’s, lutas; reflexão pedagógica, paradigma, competição.


INTRODUÇÃO

As lutas, jogos de oposição, esportes de combates, existem desde o inicio dos tempos em todas as civilizações. É fundamental a reflexão sobre a luta infantil, para que o docente, não venha a trabalhar apenas empiricamente. Para tanto se torna necessário que o mesmo procure fundamentar-se cientificamente para o crescimento didático-pedagógico da disciplina lutas.

Vale salientar que o enfoque nesse contexto, refere-se ao grupo de 7 a 12 anos, que de acordo com WEINECK (1999) é a idade de ouro da aprendizagem. RUFFONI (2004) discorre que a educação física atravessa um momento de mudança de paradigma; de uma educação biologizante, desportivizante, tecnicista, para uma pedagogia voltada para a cultura corporal, que por sua vez insere-se na sua historicidade e dialética do indivíduo que faz parte da cultura que, segundo os (PCN’S, 1997 p.27) são os “produtos da sociedade e como processo dinâmico que vai constituindo e transformando a coletividade à qual os indivíduos pertencem, antecedendo-os e transcendendo-os”, ou seja, todo individuo nasce inserido numa cultura.

Malagodi & Cesnik (2001) observaram que a cultura está tão ligada à vida do homem que sem ela o desenvolvimento do ser humano jamais seria possível.

A Educação Física, ao longo da historia, reproduziu as condutas comportamentais e os próprios padrões de cultura de cada sociedade podiam ser facilmente avaliados.

Ao se propor e defender uma educação física voltada para a cultura corporal, para a prática das lutas, é imprescindível que se compreenda que será somente por meio da cultura que o esporte possuirá significados.

A relação corpo-educação, por intermédio da aprendizagem significa aprendizagem da cultura, dando ênfase aos sentidos dos acontecimentos e a aprendizagem da história, ressaltando assim a relevância das ações humanas. Corpo que se educa é corpo humano que aprende a fazer história, fazendo cultura (MOREIRA, 1995).

De acordo com os PCN´s, todo contato corporal em uma disputa entre oponentes,

obedecendo e respeitando regras com o intuito de subjugar com técnicas e estratégias de desequilíbrio, contusão, imobilização ou exclusão de um determinado esforço na combinação de ataque e defesa, é caracterizado como luta. Podem ser citados como exemplo de lutas, desde as brincadeiras de cabo de guerra e braço de ferro até as práticas mais complexas de capoeira, judô e karaté.

Os objetivos atuais das lutas foram ampliados, portanto deve-se observar o quanto é importante o trabalho de base. WEINECK (1999) observa que a “criança não é um adulto em miniatura; seu crescimento tem proporções diferentes referentes ao adulto. Portanto seu treinamento deve ocorrer de forma diferenciada respeitando seu processo de amadurecimento”.

As aulas de lutas possuem um enfoque direcionado, ao tecnicismo, ou seja, o movimento motor específico das lutas ou a robotização dos mesmos.

Acredita-se que as lutas possam ser um meio disciplinador, como os pais tanto desejam, mas deve ser desenvolvida não apenas com intuito disciplinar. Porém, o que se defende e propõe,é que seja desenvolvido numa visão holística.

Cabe ao professor, inserida numa metodologia com perguntas operacionalizadas e na base da descoberta de problemas, conscientizarem-se da necessidade da formação da criança e que o mesmo utilize o suporte científico para fundamentar a prática das lutas associada à cultura corporal e despertar valores, como a participação dos alunos no seu cotidiano, e que os mesmos

opinem, solicitem atividades, discutam com o grupo e que o professor procure levar a turma a um processo de solução de problemas, o que certamente levará a criança a despertar não só atécnica, mas sua área cognitiva e suas concepções atitudinais.

A dimensão atitudinal é considerada um caminho para se alcançar uma finalidade que não é o próprio jogo, onde o aluno, ao ter experiências sobre suas limitações, seu potencial, riscos em desenvolver relações de mutualidade baseados em valores democráticos, também deverá aprender a respeitar as regras do jogo, para então no futuro compreender as possibilidades de seu próprio corpo.

Dois pontos devem ser focados e discutidos no que se refere à prática infantil: a ludicidade e a competição infantil: Ruffoni (2005) descreve que a ludicidade é de fundamental importância para a formação da criança.

Repensar sua práxis e sua relação com as dimensões pedagógicas da motricidade humana a partir dos aspectos educacionais e curriculares é de grande relevância profissional e acadêmica para aqueles que atuam com Educação Física e, especificamente com as lutas, uma vez que, a investigação do presente estudo trará contribuições para se repensar os valores culturais e educacionais das lutas, fato que será relevante para essa prática esportiva se adequar aos paradigmas contemporâneos da Educação Física.

Segundo Morin (2000) a educação do futuro exige um esforço transdisciplinar que seja capaz de juntar ciências e humanidades e romper com a oposição entre natureza e cultura.

Deve-se entender orientação e mobilidade como um conjunto de técnicas que visam organizar as noções de espaço, tempo, movimento e distância. A luta pode atuar como uma via determinantepara a autodescoberta, bem como, um meio de desenvolvimento da mobilidade. A prática das lutas tem despertado interesse, não só pelo seu aspecto competitivo, mas, sobretudo, pelos benefícios recreativos, físicos, mentais, entre outros.

A luta é mais que um esporte do físico, ela pretende ser também uma filosofia, que valoriza a inteligência e o culto à verdade. Assim o desenvolvimento espiritual desta arte deverá ser tão ou mais importante que o objetivo de vencer as lutas.

Da mesma forma que se exercitam os músculos menos desenvolvidos ou mais importantes para a execução de um determinado golpe, também se estuda e se determinam quais os pontos fracos da personalidade, seja ele o medo, a falta de confiança, a falta de vontade, a angústia, a ansiedade, a falta de controle ou nervosismo e, então, com o mesmo esmero, que se dedica o desenvolvimento e aprimoramento da personalidade e do espírito. Só assim, pratica-se o verdadeiro conceito de lutas em toda sua extensão.

A cultura corporal de movimento caracteriza-se, entre outras coisas, pela diversidade de práticas, manifestações e modalidades. Muitas informações da mídia que chegam ao jovem e ao adulto de forma fragmentada são manipuladas por interesses econômicos e valores ideológicos,na busca para seduzi-los.

A luta contemporânea não pode fugir nem se alienar desta realidade, pois é impossível negar a força que a indústria do lazer exerce nos comportamentos e atitudes. As lutas, não são somente técnicas físicas para o corpo, mas também um princípio filosófico para o fortalecimento do espírito. Princípio esse que se aplicarão em todas as fases da vida humana, em todos os desafios, combates e contratempos nas suas atividades, quer sejam esportivas, sociais ou profissionais.

A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE

A competição, a arte, o jogo e as brincadeiras mostram o ser humano em busca de si mesmo com a finalidade de garantir sua sobrevivência, conquistar sua felicidade e alcançar uma real qualidade de vida. Se alguém deseja conquistar esta situação, é necessário caminhar na direção de uma Revolução do Lúdico, baseada na esperança, no desafio, na liberdade, nos conflitos, no amor, na alegria, na cooperação, na beleza e na imaginação.

A ludicidade é a ponte facilitadora da aprendizagem. Sugere-se que o professor de lutas repense e questione sobre sua forma de ensinar. Utilizar a corrente da Motricidade Humana que prega o uso do lúdico como fator motivacional para qualquer tipo de aula, esportiva ou não.

Cabe sugerir ao profissional de Educação Física tenha uma visão humanista e progressista,apoiado numa perspectiva contemporânea que objetive a atividade física e faça com que os alunos desenvolvam-se integralmente. Ao assumir um papel mais amplo como para educar e formar valores eminentemente humanos estará promovendo o desenvolvimento do educando.

É dever do professor permitir ao homem o conhecimento de si mesmo, dos seus limites e possibilidades motoras, bem como estimular as três áreas inerentes aos comportamentos da natureza humana, segundo a visão pedagógica: Cognitiva, Afetiva e Psicomotora.

Freire (1996) pontuou que ensinar exige reflexão crítica sobre a prática, portanto o próprio discurso teórico a que enfatizado, tem de ser da tal modo concreto que quase se confunda com a mesma.

Ampliar as possibilidades lúdicas como meio eficiente e apropriado para o desenvolvimento dos alunos perpassa pela palavra chave do aprendizado, a motivação.

Etimologicamente a palavra motivo vem do latim " movere, motum  " e significa aquilo que faz mover, em conseqüência motivar significa provocar movimento. Cabe, portanto, um novo questionamento: A motivação do aprendizado através da ludicidade combateria o tédio de aulas elaboradas e repetitivas?

É notória a necessidade da repetição do conteúdo para a aprendizagem em qualquer graude complexidade. Entretanto a diminuição na quantidade de gestos motores automatizados reduz a especificidade do movimento especializado?

Dessa forma, o tédio provocado por respostas sempre iguais é um fator prejudicial à aprendizagem, portanto, a alternância entre a aprendizagem de algum fundamento técnico e a realização de atividades lúdicas pode contribuir para a criação do espaçamento necessário entre as atividades e, conseqüentemente, melhorar o processo de aprendizagem.

A importância da ludicidade, como fator motivacional, justifica um maior estudo sobre o seu uso como estratégia de ensino nas aulas das lutas para crianças, onde o professor deve questionar-se quanto a sua postura e conduta em relação ao objetivo prioritário de proporcionar aos praticantes de lutas um desenvolvimento globalizado e não apenas físico-técnico, transformando-os não em grandes campeões, mas em verdadeiros homens.

COMPETIÇÃO INFANTIL

Quando se aborda a temática da criança, não se pode deixar de discutir a questão da competição infantil, não cabe neste estudo buscar as origens das competições, mas sim, mostrar uma realidade que está presente em nossa sociedade, que por sinal é altamente competitiva.

Bruhns (1993) comenta que quando o esporte competitivo atua como instituição, com o acordo no final, diferenciam-se perdedores e vencedores.O objetivo não é criticar nem acabar com as competições das crianças, mas buscar subsídios para amenizar está carga de responsabilidades existentes nas atividades esportivas.

Ruffoni (2002) questiona se as competições oficiais são benéficas para a formação das crianças? Já defendia uma nova proposta de torneios esportivos voltados a essa faixa etária.

Em seu estudo observou um ponto preocupante, como: o excesso de cobrança dos técnicos e pais na busca de resultados expressivos vale lembrar, que não estamos discutindo o porquê dessas razões, a realidade é que tais fatores permanecem fortes em nosso contexto competitivo. Nível de ansiedade, nível de aspiração, presença da platéia, influencia dos pais e da sociedade, a premiação das crianças enfim fatos presentes e relevantes em nossos eventos esportivos.

Para tanto, busca-se alternativas que possam minimizar tais cobranças pertinentes à competição infantil.

Acredita-se que como docentes do ensino superior, a discussão deve ser realizada num primeiro momento numa escala horizontal, ou seja, em nível acadêmico, para que depois se proponham debates com o seu público específico, para um melhor entendimento dessas propostas.

Em seu estudo Ruffoni (2002), defende a importância de torneios, num sistema de rodízio e que todas as crianças lutem pelo menos duas vezes, Tubino (2004) comenta que a medalha não deve ser distribuída de forma aleatória, pois a mesma é um prêmio uma efetiva demonstração da sua superação, portanto devem ser conquistada.

Vale salientar que o professor de Educação Física, nos eventos, deverá a todo o momento discursar sobre os objetivos das competições infantis, e esclarecer que a competição não é um fim em si mesmo e sim um meio para a formação das crianças. Porém a promoção de reuniões com os pais para uma melhor conscientização e o diálogo com professores que estejam em sintonia com a presente proposta pedagógica com toda certeza promoverá a mudança do paradigma desportivizante.

CONSIDERAÇÕES FINAIS.

Ao abordar a questão da reflexão pedagógica sobre as lutas é relevante que se destaquem dois pontos: uma proposta de mudança de paradigma, de uma disciplina de lutas tradicional, ortodoxa,para uma atividade voltada para a cultura corporal do movimento, acredita-se que este será o ponto de partida para um conceito que leve a criança a uma participação mais ativa, reflexiva e que se busque uma visão integrada na formação do aluno. Um outro fator que não se pode esquecer é no que concerne à competição infantil.

O professor deve ter a consciência de propor as competições direcionadas ao valorpedagógico, em que a competição possa ser mais um instrumento na formação da criança e que a mesma atue como um meio nessa difícil missão que é a educação nos dias de hoje.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRUHNS, Heloiza Turini. O corpo parceiro e o corpo adversário. Campinas. São Paulo: Papirus, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MALAGODI, M. e CESNIK, F.S. projetos culturais, elaboração, administração, aspectos legais. Busca de patrocínio. 4ªed. SP: Escrituras, 2001.

MOREIRA, W. W. Perspectivas da educação motora na escola. In: DE MARCO (Org). Pensando a educação motora. Campinas, São Paulo: Papirus. 1995 p.95-120.

MORIN, Edgard. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina e Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; Revisão Técnica de Edgard de Assis Carvalho. São Paulo:

Cortez. Brasília, DF: UNESCO, 2000. 117p.

MOTTA, Alexandre. ; RUFFONI, Ricardo; TUBINO, Manoel Jose Gomes. AS COMPETIÇÕES

OFICIAIS SÃO BENÉFICAS PARA AS CRIANÇAS? In: Congresso Internacional de Educação Física, 2003, Foz do Iguaçu, 2003, FOZ DO IGUAÇU. FEDERATION INTERNATIONALE D'E

EDUCATION PHISIQUE. FOZ DO IGUAÇU: JOURNAL OF THE INTERNATIONAL FEDERATION OF PHISICAL EDUCATION, 2003. v. 73. p. 49-49.

RUFFONI, Ricardo. Analise metodológica da prática do Judô. 2004. 105 p. Mestrado em Ciência da Motricidade Humana – Universidade Castelo Branco. Rio de Janeiro.

WEINECK, Jürgen. Treinamento ideal. 9ª ed. São Paulo: Manole, 1999.

CONTATO:

Ricardo Ruffoni

ruffoni@oi.com.br

,

CONTATO:
Ricardo Ruffoni
ruffoni@oi.com.br
,

sexta 15 julho 2011 15:10 , em ARTIGOS


FILOSOFIA CIÊNCIA PROFISSIONAIS ARTES MARCIAIS

 

Carlos Alexandre Fett

Waléria Christiane Rezende Fett

 

Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso

Introdução

 

Arte marcial (AM) significa arte de guerra e aqui serão tratadas como sinônimo de lutas. As AM nasceram a muitos séculos atrás, originadas pela necessidade de autodefesa. Na luta entre tribos, os guerreiros compreenderam a necessidade do  treinamento físico e especifico em lutas para obterem melhor resultado nos combates e as habilidades necessárias eram treinadas nos tempos de paz (

HIRATA; DEL VECCHIO, 2006).As AM sofrem alterações ao longo do tempo,modificando-se com as sociedades em que estão inseridas, mas, alguns aspectos tradicionalistas  persistem enraizados, principalmente nas de origem oriental (DRIGO et al., 2005). Outra alteração importante foi à transformação destas em modalidades esportivas, impulsionadas pela mídia (BETTI; ZULIANI , 2002). Neste sentido, o conhecimento é fluido e não estático, sendo as verdades apenas parciais e às vezes, momentâneas, e que devem ser revistas com o avanço cultural e científico das sociedades, como observado por  Lee (1975): “Verdade não tem caminho. Verdade é vida, portanto, mudança”.Vários aspectos das AM e variações das lutas,não serão abordados nesta revisão. Portanto, o objetivo do presente trabalho foi verificar o que a literatura aponta sobre aspectos atuais relacionados à saúde e desempenho físico de praticantes de AM, questionando dogmas na formação do professor de lutas de forma geral, com considerações filosóficas e científicas.

 

 

Artes marciais e saúde


Muitos atributos são elencados para as AM e entre eles os benefícios para saúde. Embora existam estudos sobre o assunto, muitos deles carecem de corroboração e seus achados não são definitivos. Por exemplo, um estudo de revisão sobre o ‘hard’ Kung Fu, identificou 2103 referências sobre o assunto na literatura, mas,

Motriz, Rio Claro, v.15 n.1 p.173-184, jan./mar. 2009

Artigo de Revisão   

Filosofia, ciência e a formação do profissional de artes marciais

Carlos Alexandre Fett

Waléria Christiane Rezende Fett

Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso,

Cuiabá, MT, Brasil

Resumo:

 

 

 

 

 

 

As artes marciais têm origem milenar e foram utilizadas ao longo deste tempo para as guerras,

Palavras-chave:

 

 

 

 

Quedas. Lesões. Lutas. Treinamento. Periodização.

Abstract:

 

 

 

 

 

 

The martial arts emanate from ancient and focused during this time to the wars, self-defense and

Key Words:

 

 

 

 

Falls. Injuries. Fights. Training. Periodization.

174

 

 

 

Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p.173-184, jan./mar. 2009

 

foram elencados apenas nove. Como o Kung Fu

apresenta vários aspectos sanitários associados

à sua prática, não era permitido associar

exclusivamente a sua prática com o tratamento

de qualquer condição de saúde. Entretanto, a

prática do Kung Fu pode ter benefícios aeróbios e

para saúde, mas, necessitam ensaios clínicos

conclusivos (

TSANG

 

et al., 2008).

De forma similar, o Tai Chi Chuan (TCC)

encontra fatores confundidores em sua prática,

pois, depende do estilo, postura e duração do

treinamento. Um estudo avaliou o estilo Yang de

TCC em 15 homens: eles atingiam 58% da

reserva de freqüência cardíaca, 55% do VO

2

 

max., 3,8mM de lactato sanguíneo,

aproximadamente o ponto de aumento do

acúmulo de lactato no sangue. A avaliação de um

grupo maior (100 pessoas), com idades entre 25-

80 anos e ambos os sexos, mostrou que o TCC

era um exercício de intensidade moderada nas

diferentes faixas etárias e sexos (

LAN

 

et al.,

2008), podendo ser útil como atividade para o

condicionamento cardiovascular.

Ainda, outro estudo com TCC em diabéticos

tipo 2, demonstrou redução da glicose, e melhora

da sensibilidade periférica a insulina, em oito

semanas de treinamento, sendo benéfico para a

saúde destes indivíduos (

WANG

, 2008).

Também, foi demonstrado que 12 semanas de

treinamento de TCC (10 min de aquecimento; 30

min de exercícios de TCC; 10 min de

esfriamento), reduzia a pressão diastólica e

sistólica de normotensos e hipertensos grau 1,

melhorava o perfil lipídico e melhorava o estado

de ansiedade, sendo promissor como intervenção

de baixo custo nesta população (

TSAI

et al.,

2003).

Avaliar a carga do treinamento das AM é

dificultado pelas variações de volume,

intensidade e técnicas dos treinamentos. Estes

são fatores complexos inerentes a uma prática

esportiva pouco precisa, sendo necessários

estudos específicos de cada caso e condições, a

exemplo: “Não existe ensinamento fixo. Tudo o

que posso prover é um remédio apropriado para

um mal particular” (

LEE

, 1975). Neste sentido, a

aplicação das lutas para as finalidades acima

descritas, exige um instrutor com no mínimo,

conhecimentos de fisiologia humana e do

exercício, para além dos aspectos técnicos e

filosóficos.

As AM têm sido utilizadas para melhorar vários

aspectos funcionais e da saúde de idosos. Entre

eles está a prevenção de fraturas por quedas,

sendo que de 30-50% das pessoas com 65 anos

ou mais, caem uma vez por ano ou mais

(

ZEEUWE

et al., 2006). Várias abordagens

podem ser feitas neste sentido, como a

prevenção e a redução do impacto das quedas

(

LI et al. 2008; GROEN

et al., 2007). A fratura de

quadril tem sérias conseqüências para o idoso e

em torno de 90% delas ocorre por quedas

(

CUMMING

; KLINEBERG, 1994), em particular

laterais (

GROEN

et al., 2007).

Estudos experimentais têm demonstrado que

para evitar o impacto do quadril neste tipo de

queda, o individuo mais jovem apóia a mão e

roda o tronco (Figura 1), mas, para o idoso há

risco de fratura do punho (

GROEN

et al., 2007).

Em contraste, as técnicas de quedas das AM

mostraram reduzir até 30% da força do impacto

comparado à queda ‘normal’ tensa. Ainda, foi

demonstrado que apenas 30 min de treinamento,

já produziam efeitos de redução do impacto do

quadril no solo, em jovens sem treino prévio, mas

não era tão eficiente quanto ao de judocas

treinados (

WEERDESTEYN et al., 2008;

GROEN

 

et al., 2007). Entretanto, o conhecimento sobre o

mecanismo e o beneficio potencial para os idosos

que estas técnicas poderiam prover, é limitado,

mas necessário, uma vez que são utilizadas com

sucesso em programas de prevenção de quedas

em idosos (

GROEN

 

et al., 2007).

Figura 1

 

 

 

 

 

. Queda lateral, sem a técnica de artes

Filosofia, ciência e artes marciais

Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p.173-184, jan./mar. 2009

 

 

 

 

175

Um estudo concluiu que a redução do impacto

do quadril era associada a menor velocidade de

impacto e menor orientação vertical do tronco

usando as técnicas de AM. Ainda, rolar após o

impacto, como realizado nas quedas das AM,

também pode contribuir para a redução das

forças de impacto. Entretanto, bater o braço para

‘quebrar’ a força da queda não era necessário

para reduzir o impacto do quadril (

GROEN

et al.,

Figura 2

 

 

 

 

 

. Queda lateral utilizando a técnica de artes

 

O TCC também foi utilizado com o propósito de

prevenção das quedas em idosos e era bem

aceito como atividade por esta população.

Embora em um grande estudo (1200 sujeitos com

65 anos ou mais; Taiwan), não tenha

demonstrado diferença estatística entre os

praticantes experientes (-50% nas quedas), os

que iniciaram praticar (-31% nas quedas) e o

grupo controle, o declínio nas quedas no período

de um ano parece ter sido importante e

possivelmente as orientações gerais para

prevenção das quedas reduziu inesperadamente

as quedas no grupo controle, interferindo na

significância estatística (

LI

 

et al., 2008). Já outro

estudo deste mesmo grupo, demonstrou que seis

meses de prática de TCC significativamente

reduzia a freqüência das quedas de idosos entre

70-92 anos de idade (

LI

et al., 2004), podendo ser

facilmente aplicado em larga escala na

comunidade (

LI

et al., 2008).

A síndrome da fragilidade tem aumentado e é

reconhecidamente o maior preditor de comorbidades

e mortalidades nos idosos.

Atividades como o TCC (

CHERNIACK

et al.,

2007), têm sido incorporadas em treinamentos

para combater este tipo de problema e melhorar a

saúde geral de idosos (

HO

et al., 2007), mas

estudos futuros são necessários para investigar a

eficiência do TCC e outras AM para combater a

síndrome da fragilidade.

Um estudo investigou o efeito de cinco meses

da prática do Taiji e Qigong tradicionais na

resposta imunológica de idosos imunizados pela

vacina do vírus influenza. Os autores observarm

que o Taiji e Qigong melhoravam a resposta

imunológica à vacina, mas, estudos futuros são

necessários para determinar se a resposta era o

suficiente para promover proteção definitiva para

esta infecção (

YANG

et al., 2008). Também, foi

observado que a prática regular de TCC

melhorava a qualidade de vida dos idosos em

Taiwan, mas, são necessários futuros estudos

para mostrar qual a ligação entre o

condicionamento físico, saúde e a qualidade de

vida (

HO

et al., 2007).

Em conclusão, as artes marciais parecem ter

várias aplicações para saúde e independência do

idoso. Entretanto são necessários futuros estudos

para investigar suas aplicações em diferentes

condições (

WEERDESTEYN

et al., 2008;

 

CHERNIACK

et al., 2007; HO et al., 2007; LI

 

et

al., 2006;

GROEN

et al., 2007). Ainda, para que

as terapias tenham sucesso, é necessário

considerar a combinação de medicação,

suplementos nutricionais e exercício

(

CHERNIACK

et al., 2007). Portanto, para usar as

 

Lesões são comuns nos esportes em geral

(

 

BOMPA

 

, 2002) e nas lutas é esperado que

promovam importante prevalência de lesões

ortopédicas devido ao contato físico. Por

exemplo, lutadores de boxe têm alta incidência de

lesões no cotovelo, por hiperestensão ao

perderem um golpe (

VALKERING

et al., 2008)

(Figura 3), lesões na cabeça e face, pelo contato

com o adversário (

BLEDSOE

et al., 2005). O

176

 

 

 

Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p.173-184, jan./mar. 2009

 

Treinamento não significa somente

conhecimento das coisas as quais irão construir

o corpo, mas um conhecimento das coisas as

quais irão desgastar o organismo. Um treino

impróprio irá resultar em lesão. Então,

treinamento é uma preocupação com a

prevenção de lesões, bem como, recuperar-se

das lesões (

 

LEE

 

, 1975).

Figura 3

 

 

 

 

 

. Boxer demonstrando a possibilidade de

 

Dado o aumento da popularidade das AM, é

comum que os médicos de várias especialidades

encontrem pacientes que as praticam. De

pacientes pediátricos a geriátricos, que convivem

com várias desabilidades, podem encontrar

benefícios físicos, psicológicos e terapêuticos na

prática das AM. Entretanto, estas práticas

também oferecem riscos de lesões de diversas

naturezas. Uma apreciação da demanda física

das AM é crucial para o entendimento da

patogênese da lesão e para planejar o tratamento

e prevenção, determinando o retorno seguro do

praticante (

TERRY

 

, 2006).

Neste sentido, lutas de pleno contato estão

associadas à alta incidência de lesões. Um

estudo acessou o risco de diferentes tipos de

lesão, em boxers masculinos e femininos

(setembro de 2001 a março de 2003; n=524

lutas). A taxa geral de incidência de lesão era

17,1 por 100 lutas, ou 3,4 por 100 rounds. Do

total das lesões, a laceração facial ocorreu em

51%, a lesão da mão em 17%, a de olho em 14%

e a de nariz em 5%. Os lutadores masculinos

tinham maior número de lesões que o feminino

(3,6 x 1,6 por 100 rounds, respectivamente) e

significativamente mais nocautes; o risco de

lesões era aproximadamente o dobro para os que

perdiam a luta; a perda por nocaute aumentava

duas vezes a chance de ter lesões, comparados

a perda por outros meios; o peso e idade não

eram associados às lesões (

BLEDSOE

et al.,

2005).

Também foi observado que a maior parte das

lesões em boxers ocorria na

cabeça/pescoço/face (89,8%), com alta incidência

de lesão na região dos olhos (45,8%) e

concussão (15,9%), do total de 107 lesões (427

lutas; agosto de 1985 à agosto de 2001).

Entretanto, não havia informações sobre o

mecanismo das lesões, sendo necessárias

futuras investigações (

ZAZYRYN

et al., 2003).

Estas informações podem permitir ao profissional

envolvido com o ensino do boxe a melhor

preparar seu aluno, do ponto de vista fisiológico e

biomecânico a fim de prevenir e recuperar-se

destas lesões. Ainda, conhecedor destes

mecanismos de risco, a aula pode ser adaptada

com maior segurança, para uma grande parcela

dos alunos que não tem pretensões esportivas.

As artes marciais mistas (MMA, mixed martial

arts), conhecidas no Brasil pelos eventos de “Vale

Tudo”, tem tido grande impacto de público e

aumento de praticantes. Entretanto, existem

poucas informações sobre as incidências de

lesões. Um estudo de cohort retrospectivo

examinou o padrão das lesões ocorridas em

eventos de MMA em Nevada, EUA (cinco anos;

1270 lutadores; 635 lutas). Foi observado que

300 dos 1270 atletas tinham lesões

documentadas (23,6 por 100 participações). As

lesões mais comuns eram: lacerações e lesão

nos membros superiores; concussão severa era

15,4 por 1000 atletas (3%); não houve morte ou

lesão crítica. A idade, o peso e a experiência não

influenciaram depois de controladas as outras

covariaveis. A conclusão foi que as lesões em

lutas de MMA são similares às de outras lutas e

os riscos para lesões críticas eram baixos.

Entretanto, são necessários mais estudos para

entender as lesões no MMA (

NGAI

et al., 2008).

Ainda, é importante que a lesão seja conduzida

de forma adequada o mais breve possível,

favorecendo a recuperação e pleno retorno as

atividades (

MÜLLER-RATH

et al., 2004). Por

Filosofia, ciência e artes marciais

Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p.173-184, jan./mar. 2009

 

 

 

 

177

cotovelo, devido a um golpe potente que erra o

alvo causando hiperestensão e que eram

submetidos à artroscopia, demonstraram boa

recuperação e completo retorno as suas

atividades esportivas (

VALKERING

et al., 2008).

Portanto, de forma geral as lutas oferecem risco

potencial de lesões aos seus praticantes. Mesmo

modalidades de pouco contato, como a capoeira,

oferecem riscos ortopédicos e até mesmo mais

graves como o hematoma subdural, lesão rara,

mas que foi observada em um praticante,

submetido à cirurgia, devido ao jogo de capoeira

(

TÜRKOĞLU

et al., 2008). Portanto, o profissional

 

Este tipo de infecção pode ocorrer pelo doping

sanguíneo, contato sexual, ou por uma lesão que

sangra. A transmissão pelo contato sanguíneo

pode ser prevenida com princípios de higiene; a

hepatite B e C são as mais prevalentes em

atletas (

 

PIROZZOLO; LeMAY

 

, 2007).

Embora feridas que sangram são comuns em

modalidades de contato, o risco de infecção por

HIV e outras patologias é baixo, devido a guias

de prevenção para este tipo de infecção. A

arbitragem e equipes envolvidas em esportes de

contato devem ser treinadas a aplicar estas

técnicas. Por exemplo, um sangramento pode ser

contido pela aplicação imediata de um curativo,

uso de luvas pelos árbitros e os responsáveis

pelos primeiros atendimentos (

MÜLLER-RATH

et

 

Foi observado que a prevalência da infecção

por Trichophyton tonsurans no escalpo de

membros de um clube de judô, (período de 3,5

anos), era alta (positivo para 11 dos 31 atletas;

35%). Todos foram tratados por medicamento via

oral e tópico (100% de cura). Com o

acompanhamento anual, exames, terapia e

medidas preventivas de higiene, em intervalos

regulares foi possível controlar as reincidências

(

 

HIROSE

 

et al., 2008), demonstrando a

 

O treinamento esportivo depende de um

planejamento adequado considerando a

modalidade em questão, o nível de

desenvolvimento esportivo e maturacional do

atleta e as áreas complementares do

conhecimento (biomecânica, medicina, nutrição,

fisiologia, anatomia, sociologia, aprendizado

motor, psicologia, medidas e avaliação,

estatística) (

 

BOMPA

 

, 2002). Ainda, é necessário

considerar o uso de suplementos alimentares

(

FETT et al., 2001; FETT; FETT

, 2003) e

 

Treinamento é uma condição psicológica e

fisiológica de um indivíduo, preparando-se para

uma reação neural e muscular intensa. Isto

implica disciplina da mente, potência e

resistência do corpo. Isto significa destreza.

Todas estas coisas têm que trabalhar em

conjunto e em harmonia (

LEE

 

, 1975).

 

Outro aspecto que evidentemente não pode ser

negligenciado é o técnico, e neste sentido, nada

substitui o conhecimento e a prática específica da

luta em questão. Entretanto, o conhecimento

científico, característico da formação acadêmica,

permite fazer análises estatísticas dos melhores

resultados, análises biomecânicas dos gestos

mais eficientes e os aspectos das demandas

fisiológicas dos combates.

Neste sentido, foram avaliados dois grupos de

judocas que haviam ganhado medalhas em

Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos (1995-

2001). O grupo de Super Elite (n=17) eram os

melhores em suas categorias de peso; o grupo de

Elite (n=16) tinha ganhado no mínimo uma e no

máximo três medalhas neste período, mas, não

eram campeões. Em relação às técnicas que

pontuavam, os judocas do grupo Super Elite

usavam maior número e mais direções e a

variação estava correlacionada com as vitórias e

com a pontuação por ippon. Portanto, a

variabilidade das técnicas de projeção, parece

ser importante para o fator surpresa em lutas de

Judô (

FRANCHINI

 

et al., 2008).

178

 

 

 

Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p.173-184, jan./mar. 2009

 

treina as técnicas unilateralmente, os

grupamentos musculares não trabalham na

mesma proporção, podendo gerar desequilíbrios

musculares e articulares e até mesmo posturais,

especialmente em indivíduos em fase de

desenvolvimento, sendo necessário adequar o

treinamento.

Para o progresso do treinamento esportivo é

necessário que o treino cause sobrecarga e

tenha especificidade (

BOMPA

 

, 2002). Neste

sentido, a sobrecarga para o aumento da força,

dada pela carga externa a ser vencida, pode ser

geral, ou especifica (exercício funcional). Um

estudo comparou o treino técnico de judocas

utilizando o parceiro ou o gesto similar em uma

máquina construída para o Judô. Foi observado

que a máquina produzia melhores resultados

devido oferecer maior sobrecarga, sendo

indicada para melhorar a força especifica de

judocas (

BLAIS

et al., 2007).

Outro estudo com lutadores de Tae Kwon Dô

comparou um grupo recebendo o treinamento

tradicional mais um treino com resistência

elástica e o grupo controle, somente com o treino

tradicional, na velocidade do chute giratório dos

atletas. Foi observado que o grupo que utilizou a

resistência elástica aumentou significativamente a

velocidade do chute (7%) e não houve diferença

para o grupo controle (

JAKUBIAK; SAUNDERS

,

2008).

A intensidade do treinamento é fundamental

para que a sobrecarga do mesmo seja atingida

(

BOMPA

, 2002). Em um estudo de lutadores de

MMA foi utilizado o nível de lactato e a escala de

Borg como marcadores da intensidade do

treinamento, para comparar com a obtida durante

a competição. Foi observado que dos 4 atletas

monitorados, 3 atingiam no treinamento os níveis

de lactato do pós competição e que em relação a

escala de Borg, todos os 4 atingiam os níveis

máximos no treinamento e no pós competição

(

AMTMAN

et al., 2008). Embora este seja um

resultado preliminar, sugere que a escala de Borg

seja um método adequado para estimar a

intensidade de treino de lutadores de MMA, além

de ser barato e simples de utilizar.

Outro estudo investigou a resposta metabólica

de lutadores de Karatê, simulando competições

com as durações de 2 e 3 minutos. Foram

medidos a captação máxima de oxigênio (VO

2

),

freqüência cardíaca, lactato sanguíneo, escala de

esforço percebido e gasto energético durante

estes rounds. Os autores concluíram que de

acordo com os resultados obtidos, os praticantes

de Karatê devem praticar programas específicos

de treinamento com pesos, exercícios

pliométricos, e treinamento intervalado para

melhorar a habilidade de tamponar a acidez

metabólica e construir massa corporal magra,

sexta 15 julho 2011 15:09 , em ARTIGOS


|

Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para korea

Precisa estar conectado para adicionar korea para os seus amigos

 
Criar um blog